31/07/2010

Telefónica consegue controle da Vivo

Empresa chegou a um acordo para a compra dos 50% da participação da Portugal Telecom

Depois de dois meses de nogociações, a companhia espanhola Telefónica anunciou nesta quarta-feira (28) um acordo para assumir o controle acionário da Vivo, a maior operadora de celular do Brasil.
Segundo um comunicado da Telefónica, a empresa chegou a um acordo para a compra dos 50% da participação da Portugal Telecom na Brasilcel, holding que tem 60% das ações da Vivo. A Telefónica e a Portugal Telecom eram sócias igualitárias na Brasilcel. 

Com informações da BBC Brasil.

Mix cria projeto piloto para Pringles

Material divulga chegada da batata à rede Cinemark


A Mix Brand Experience criou um projeto piloto para a Pringles, da Procter & Gamble, para colocar o produto na rede Cinemark. Para comunicar ao público que a partir de agora será possível devorar a batata assistindo aos filmes dentro do cinema, a Mix desenvolveu uma série de materiais de divulgação para chamar a atenção no ponto-de-venda.

Composta por displays, lamás e vinheta para o circuito interno de TV dos cinemas, as peças exibem a imagem de uma lata de Pringles crocante transformada em rolo de filme, acompanhada do seguinte texto “Mais um sucesso que chega ao Cinemark". 

A criação é de Felipe Munhoz, Bruno Brasileiro e Milena Jang, com direção de criação de Adriana Salles.

Daqui

Corinthians vira brinquedo da Estrela

"Timão" é tema das novas versões dos jogos Cara a Cara, Banco Imobiliário e Quebra-Cabeça,

O Corinthians passa a ser tema de três lançamentos de jogos da Estrela. Em vez das ruas, o que se negocia no Banco Imobiliário Corinthians são os passes dos craques do clube. No Cara a Cara, o importante é investigar a posição da equipe, o número de gols marcados no Brasileiro, a quantidade de cartões recebidos, entre outros. Já o Quebra-Cabeça é composto por cem peças, em homenagem ao centenário do clube. 

“O Corinthians desperta muita paixão entre seus torcedores. Brinquedos tradicionais como Banco Imobiliário e Cara a Cara, também tem muitos fãs. Resolvemos unir estas duas paixões. Esta linha, que traz ainda o quebra-cabeça é uma homenagem ao aniversário de cem anos do clube”, afirma Aires Leal Fernandes, diretor de marketing da Estrela. 

"Este é mais um passo do clube para atender aos desejos do nosso torcedor. É uma oportunidade fantástica porque juntamos a brincadeira infantil com a maior paixão que temos: o Corinthians", diz Luis Paulo Rosenberg, vp de marketing do Corinthians. 

Os produtos chegam às lojas nesta semana. 

Daqui

30/07/2010

Wizard estampa sua marca na camisa do Palmeiras

Rede de ensino de idiomas estará na manga alviverde durante o clássico de domingo (1º), contra o Corinthians

A Wizard patrocinará o Palmeiras durante o clássico deste domingo (1º), contra o Corinthians. A rede de ensino de idiomas estampará sua marca nas mangas do uniforme da equipe alviverde, inicialmente apenas pela partida.

A empresa tem como uma de suas principais estratégias de marketing o patrocínio ligado ao esporte. Entre suas iniciativas estão o apoio a equipes de futebol e atletas de modalidades como ciclismo e alpinismo, assim como a eventos esportivos em geral.

LG firma parceria com Red Bull Racing na Fórmula 1

Empresa oferecerá equipamentos às estruturas de pista e à sede da escuderia


A LG Eletronics anuncia o início de uma parceria com a Red Bull Racing na Fórmula 1. Com o contrato, que não teve duração divulgada, mas deve se estender ao menos pelas próximas três temporadas, a empresa passa a oferecer à estrutura de pista e à sede da escuderia seus equipamentos mais recentes.

“Essa parceria permite que a LG demonstre melhor seu compromisso de usar tecnologia para entregar experiências fantásticas a pessoas do mundo todo. Esse relacionamento também dá à empresa outras oportunidades de desenvolvimento dos seus negócios e enfatiza as ações de hospitalidade, envolvimento com a mídia e merchandising que desenvolvemos dentro e fora das pistas”, analisa Eduardo Toni, diretor de marketing da LG Brasil.

Atualmente a Red Bull Racing está em segundo lugar entre os construtores, atrás da McLaren, e em terceiro e quarto com seus pilotos: o australiano Mark Webber e o alemão Sebastian Vettel, respectivamente. A LG também é uma das patrocinadoras institucionais da Fórmula 1.


Ferrari faz antimarketing

A atitude da Ferrari em dar ordens para que seus pilotos troquem de posição durante o Grande Prêmio da Alemanha de Fórmula 1 se provou um desserviço ao esporte e um grande erro de Marketing. Pela segunda vez, a equipe italiana dá combustível para a ira de torcedores, que se voltam contra a sua marca, as de seus patrocinadores e da própria Fórmula 1.


Em 2002, no Grande Prêmio da Áustria, a equipe e os seus pilotos saíram do autódromo debaixo de vaias. Desta vez, a plateia ecoou no mundo inteiro com as redes sociais. A própria organizadora da competição fez questão de mostrar a enganação que esses ditos profissionais promoveram. Escancarado ou por trás das cortinas, é certo que ninguém gosta de ser enganado. E foi isso que a Ferrari fez mais uma vez.
Chamou seus consumidores de palhaços em rede mundial. Consumidores porque, além dos que pagaram para ver a corrida ao vivo, há milhões de pessoas que assistem pela TV. São essas pessoas que dão audiência. E é audiência, exposição e associação de marca que os patrocinadores compram, entre outros. Nenhuma marca gostaria de estar ligada a uma situação destas, gostaria?
É claro que a mítica da Ferrari sai pouco ou quase nada arranhada disso tudo. Quem sempre sonhou em ter uma na garagem vai continuar cultivando a imagem do cavalinho. O buzz negativo, no entanto, é difícil de calcular. Certamente, a marca sofre no longo prazo. Principalmente outras menos fortes como a própria Fórmula 1. Mesmo sendo também um negócio, qualquer esporte vive de torcedores. Sem eles não há patrocinador, dinheiro, ou competição. E o torcedor, consumidor em alguma hora, está farto de ser enganado.

Ferrari faz antimarketing
 


De Bruno Mello do Mundo do Marketing

29/07/2010

Pão de Açúcar exalta natureza

Campanha de aniversário tem investimento de R$ 4 milhões e irá sortear viagens para sete lugares 

A rede Pão de Açúcar aposta nas sete maravilhas da natureza para comemorar seu aniversário. A campanha, criada pela house PA Publicidade, estreia nesta sexta-feira (30).
A promoção, que tem como slogan “A natureza que a gente ajuda a preservar de presente para você”, irá premiar os clientes da rede com viagens e mais de mil carrinhos de compra ecológicos.
Para conhecer as sete maravilhas da natureza - Grand Canyon, Ilhas Maldivas, Alpes Austríacos, Amazônia, Galápagos, Patagônia ou a Grande Barreira de Corais da Austrália – serão sorteados sete clientes, um para cada destino, com direito a um acompanhante. O pacote “luxo” contempla uma semana em hotel 5 estrelas, passagem aérea em classe executiva, roteiros especiais pelo local e um coordenador de "encantamento" exclusivo durante a viagem.
O investimento total  da campanha é de R$ 4 milhões. A promoção termina em 26 de agosto e acontece nas 145 lojas Pão de Açúcar localizadas em nove estados brasileiros: São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Distrito Federal, Goiás, Ceará, Paraíba, Piauí e Pernambuco e no PA Delivery.
A cada R$ 60 em compras, o cliente recebe um número para concorrer ao sorteio dos prêmios. A participação pode ser feita de duas formas: enviando um SMS com o código do cupom + o número referente ao destino escolhido ou por meio do site da promoção. Nas duas formas, o cliente escolhe para qual destino que concorrer.
A campanha, que será composta por mídia eletrônica e impressa, traz peças com imagens dos destinos escolhidos para premiação e a mecânica da promoção. O filme de 30", que será veiculado nas TVs abertas e fechadas, também mostra as maravilhas dos lugares que serão sorteados entre os clientes da rede.
Na ambientação das lojas, móbiles, réguas, displays e banners, além de cartões postais com imagens dos destinos e informações de cada região.

Afinal, o que é Marketing?

"É comum observamos pessoas se referindo ao marketing com um tom pejorativo, associando-o a publicidade, propaganda, vendas e, o que é pior, a “enganação”. Como se o marketing fosse uma ferramenta para enganar as pessoas, escondendo o defeito de um produto, ajudando a eleger um candidato ruim ou induzindo o consumidor na compra do produto. 
Na verdade marketing é muito diferente disso. Marketing é a parte do processo de produção que leva ao nosso público alvo o que queremos oferecer, usando a criação, comunicação e bom relacionamento.
Para me explicar melhor pergunto, qual é o objetivo de qualquer negócio? É manter e conseguir clientes, pois sem isso nenhum negócio consegue sobreviver. Então, o marketing esta no ponto central dos negócios, pois é esse o seu trabalho. Descobrir novos modos de realizar esta função.
Alguns dizem que o marketing esta contribuindo com o desmatamento e levando ao consumismo. Pura bobagem. Quantas vezes vemos propagandas em TVs, jornais, revistas que mostram o quanto o marketing se preocupa com o meio ambiente. Como o caso da Bom Bril, que lançou uma linha totalmente ecológica.
Nós, como profissionais de marketing, não visamos somente o lucro. Claro que isso não deixa de ser importante, mas antes de sermos profissionais somos, também, humanos e nos importamos com o mundo no qual vivemos.   
Nosso verdadeiro objetivo é satisfazer suas necessidades e desejos. Procurando entender cada vez melhor o real desejo do nosso cliente. 
Mas, se pudesse resumir marketing em apenas uma frase, por mais que seja incoerente para alguns, diria: Marketing é vida!"


Texto escrito por Julianna Blesa Miras, aluna do curso de marketing da Etec Martin Luther King.

28/07/2010

Coca-Cola comemora Semana Otimismo que Transforma

Campanha agradece por resultado recorde da edição de 2010


A Coca-Cola Brasil estreia neste sábado (31) a campanha de prestação de contas da Semana Otimismo que Transforma 2010. Criado pela DPZ, o anúncio, que será veiculado nas mídias impressa e eletrônica, comemora os resultados da ação deste ano, recorde de todas as edições. Foram arrecadados R$ 5,8 milhões – valor 16% maior que o do ano passado -, que serão revertidos aos projetos do Instituto Coca-Cola Brasil, nas áreas de educação e meio ambiente.

Daqui

Como divulgar uma panela antiaderente





Para promover sua panela antiaderente, a SUPOR, junto da Leo Burnett de Shanghai, criou em frente a um shopping uma enorme pista de skate “camuflada” de panela wok. Skatistas vestidos de peixes, camarões e ovos faziam manobras, demonstrando o beneficio de não grudar da panela.

Cases da nova era do Marketing

Ainda de acordo com o novo livro de Philip Kotler, intitulado "Marketing 3.0", a essência na estratégia de agradar o cliente está direcionada nas práticas inovadoras, ou seja, na apresentação de uma nova perspectiva de negócios que podem transformar a vida dos consumidores.

No livro são apresentados alguns exemplos de empresas que seguiram essa postura, como os cases Amazon.com, Twitter e a S. C. Johnson & Son que procuraram se moldar a essa nova ótica do consumidor.

No caso da Amazon.com, através de uma prática inovadora, a empresa trabalhou um novo jeito de vender livros (e de outros produtos) com a Amazon.com (1994) e reinventou o próprio livro com o Kindle (2007), sempre buscando fornecer para a população uma maior seleção de conhecimento aliada à entrega conveniente.

A própria rede social Twitter, criado em 2006, é outro caso direcionado a atender as necessidades do consumidor. A rede foi à pioneira na idéia de microblogs na internet e conseguiu uma maneira das pessoas difundirem suas idéias na web de forma mais rápida e ágil.

Ambos os casos de práticas inovadoras refletem algo já dito por Peter Drucker, considerado uma das maiores autoridades na Administração, em seus livros e artigos sobre o assunto, quando revela que os negócios devem começar a partir de uma boa missão e os resultados financeiros vêm em segundo lugar.

A Amazon.com, por exemplo, teve seus primeiros lucros em 2001, após sete anos de existência na internet. Já o Twitter ainda nem finalizou seu modelo de negócios e ainda não tem certeza de como vai monetizar seus serviços.

Relacionado em um contexto voltado ao marketing dos valores junto aos empregados, o livro de Philip Kotler destaca também a empresa S. C. Johnson & Son como um modelo de negócio sustentável nessa nova era do marketing. A empresa é destaque em seu segmento por posicionar-se como uma "empresa familiar, sustentável, especializada em produtos de limpeza e buscar dar as melhores condições de trabalho aos seus funcionários como forma de aumentar sua produtividade.

As pessoas e o mundo estão em constante mudança. Os profissionais de marketing ou empresários que conseguirem visualizar isso da melhor forma sairão na frente da concorrência e terão mais facilidade de transformar seus consumidores, em clientes fies e divulgadores da sua marca.

O conteúdo dos posts 'A Nova Era do Marketing', 'Marketing 3.0 e a nova era da fidelização' e 'Cases da nova era do Marketing' foi escrito por Fábio Bandeira de Mello, www.administradores.com.br

27/07/2010

Coca Cola x Pepsi, a volta


A guerra entre Coca Cola e Pepsi não é novidade. Muitos comerciais já foram feitos na década de 90 enfatizando a concorrência direta. Confira abaixo o mais recente,  criado pela TBWA para Pepsi Max. Ele é um remake de um filme criado pela BBDO em 95 (confira aqui), mas agora a briga é com Coke Zero e Pepsi Max.

Marketing 3.0 e a nova era da fidelização

Philip Kotler, considerado o pai do Marketing Moderno, e outros importantes nomes de estratégias de marketing como Hermaean Kartajaya e Iwan Setiwan propõem uma nova evolução no conceito para as estratégias de mercado. De acordo com esses especialistas, entramos na era chamada de "Marketing 3.0". No seu recente livro intitulado com essa denominação, Philip Kotler ressalta que os clientes hoje estão escolhendo produtos e empresas que satisfaçam suas necessidades mais profundas de criatividade, comunidade e idealismo.

"Hoje, estamos testemunhando o surgimento do Marketing 3.0, ou a era voltada para os valores. Em vez de tratar as pessoas simplesmente como consumidoras, os profissionais de marketing as tratam como seres humanos plenos: com mente, coração e espírito. Cada vez mais os consumidores estão em busca de soluções para satisfazer seu anseio de transformar o mundo globalizado num mundo melhor. Em um mundo confuso, as pessoas buscam empresas que abordem suas mais profundas necessidades de justiça social, econômica e ambiental em missão, visão e valores.", revela um trecho do novo livro de Kotler.

Nessa busca de agradar o consumidor e fazer diferente da empresa concorrente, não ache que apenas brindes supérfluos ou lembrancinhas irão fidelizar o seu público. A verdade é que, os clientes não querem apenas comprar produtos, querem consumir experiências.

Nesse aspecto, entre os caminhos para desenvolver uma boa estratégia de marketing voltada para fidelização, Robson Alberoni, presidente do Instituto Brasileiro de Inteligência de Mercado, conta que é fundamental "saber com profundo conhecimento o que os clientes valorizam e tentar personalizar cada uma das propostas à suas necessidades".


ESSA MATÉRIA FOI DIVIDIDA EM TRÊS PARTES PARA MELHOR COMPREENSÃO DOS LEITORES E APRESENTAÇÃO JUNTO AO BLOG. A TERCEIRA PARTE DA MATÉRIA SERÁ POSTADA AMANHÃ contendo os devidos créditos.

26/07/2010

Ogilvy Argentina cria "máquina da amizade" para Coca-Cola

Ação estimulava ajuda entre amigos, que depois podiam desfrutar de duas latinhas do refrigerante


No Dia Internacional do Amigo (20 de julho), a Ogilvy Argentina desenvolveu para a Coca-Cola a "máquina da amizade". A ação fez as pessoas se ajudarem para obter duas garrafas de Coca-Cola ao preço de uma. 

O desafio era simples: tinha que colocar moedas em uma máquina de refrigerante de três metros de altura. O tamanho da máquina fazia com que o feito só fosse possível com a ajuda de um amigo, que depois poderia compartilhar de uma das duas latinhas conquistadas. 

A máquina "gigante" foi instalada nos cinemas da rede Cinemark. 


A nova era do Marketing

Veja o que Philip Kotler, McKenna e Peter Drucker podem ensinar sobre conquistar clientes 

Pare de achar que chocolates e pequenos brindes vão fidelizar seu cliente. Amplie seu marketing com bons produtos e novas estratégias de fidelização para ter mais sucesso em seu negócio.

O que é preciso para os consumidores que compram um produto ou serviço de uma empresa tornem-se clientes fiéis e voltem a comprar produtos ou serviços dessa empresa?

Claro que essa resposta não vai apontar apenas um aspecto, mas a junção de diversas características e fatores. Podemos destacar que alguns deles são oferecer produtos de qualidade, ter um bom atendimento, saber quem são seus consumidores, concorrentes e, principalmente, conhecer muito bem o próprio negócio.

competiçãoSó que o mercado, independente do produto vendido ou serviço oferecido, está bastante competitivo. Mais empresas buscam o mesmo espaço e o mesmo cliente. Isso dificulta a fidelidade do consumidor junto à empresa.

Um dos maiores especialistas em Marketing na era digital, Regis McKenna, em seu livro Marketing de Relacionamento, relata que com tantas escolhas para os clientes, as empresas enfrentam o fim de sua fidelidade.

De acordo com o autor, "para combater essa ameaça, as organizações podem aumentar seu pessoal de vendas e de marketing, lançando recursos caros no mercado como uma forma de manter seus clientes. Porém, a solução real obviamente não é 'mais marketing', e sim o 'melhor marketing'". Isso significa que a organização deve encontrar um modo de integrar o cliente à empresa, como forma de criar e manter uma boa relação entre ambas.


ESSA MATÉRIA FOI DIVIDIDA EM TRÊS PARTES PARA MELHOR COMPREENSÃO DOS LEITORES E APRESENTAÇÃO JUNTO AO BLOG. A SEGUNDA PARTE DA MATÉRIA SERÁ POSTADA AMANHÃ; sendo que os devidos créditos serão dados na parte final.

25/07/2010

Conar pede sustação de campanha da Skol

Campanha com torcedores argentinos e latas falantes está fora do ar desde 14 de junho

O Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) pediu nesta quarta-feira (21) a sustação, por unanimidade, da campanha “Chegaram as latas falantes da Skol”, que já está fora do ar desde junho.

Criado pela F/Nazca, o outdoor em questão trazia dizeres considerados de apelo de consumo, o que não é permitido em publicidade de bebidas alcoólicas.

A campanha já foi alvo do Ministério Público Federal (MPF) em Belo Horizonte, que recomendou no dia 23 de junho à AmBev, detentora da marca Skol, a suspensão de filme, no qual uma lata "falante" da cerveja chama de "maricón" um torcedor argentino. A reclamação ao MPF foi feita por um cidadão argentino, residente em Belo Horizonte, que alegou que a campanha teria conteúdo ofensivo e discriminatório. Quando isso acorreu, a campanha já não estava mais no ar desde o dia 14 do mesmo mês.

Qual é o símbolo do Marketing?

São raras as áreas do conhecimento que não tenham um símbolo, ou logotipo, para identificá-las das demais. A letra grega PSI ( Y ), por exemplo, identifica a psicologia, o caduceu com uma cobra (e não duas) representa a medicina. O Caduceu com duas cobras e o chapéu de Hermes, a Contabilidade. A Administração tem um logo estiloso. 

Provavelmente grande parte desses logos, símbolos ou brasões foi desenhado por um profissional de Marketing. que como todos sabem, tem como símbolo o..... o.... o....
Se você demorou mais de 5 segundos para responder, não se preocupe. A área que cuida de símbolos, logos, promoções, comunicação não costuma se auto-promover muito bem. Por isso, o símbolo do Marketing não é tão conhecido por pessoas que não sejam da área.
Para falar a verdade até pessoas da área tem dificuldade em responder sobre o seu símbolo.

Qual é o motivo de tanta despreocupação quanto a um desenho que representa toda uma classe? talvez os profissionais de outras áreas, como a psicologia, por exemplo, possam responder.

Constantemente sou perguntado por alunos que estão se formando na área a respeito do logotipo ou símbolo que represente o Marketing. Afinal eles vêem os seus colegas de medicina e psicologia ostentando os respectivos símbolos nos convites, faixas, camisetas e banners durante o dia da formatura.

Um psicólogo já é apresentado ao símbolo no primeiro ano da faculdade. Ele conviverá e se orgulhara disso, durante toda a vida profissional. Noto que cartões de visita de psicólogos, assim como placas nos consultórios ou anúncios de jornal são acompanhados do logotipo da área.

Entretanto, nós, de Marketing, nem ao menos sabemos o que nos representa. Se é uma letra um desenho, ou um hieróglifo. Os alunos só vão pensar nisso na hora da formatura e depois voltam a esquecer.

Não vou nos recriminar, a nenhum profissional de Marketing. Afinal, criamos logos para todos, com exceção de para nós mesmos.

Em casa de ferreiro, o espeto é de pau.

Ah... já ia me esquecendo.... o símbolo do Marketing é um alvo. Com uma flecha acertando a mosca. Afinal é essa a nossa função: acertar o alvo. De preferência bem perto do centro.




Texto de Daniel Portillo Serrano do blog Marketing Negócios

24/07/2010

Brahma lança lata vermelha neste sábado

Nova identidade visual da marca e de sua lata apresenta reposicionamento de marketing da cerveja


 
Nova lata traz, além da cor, modificações no logotipo

A Brahma acaba com o mistério em torno de sua lata e divulga, no próximo sábado (24), a segunda fase da campanha que reposiciona a cerveja no mercado. A nova embalagem, vermelha, é parte da estratégia que tem como slogan "O sabor de sua Brahma agora na cor da Brahma". Além da lata, o logotipo, reproduzido nas garrafas e em todo o material de comunicação, também foi modificado para reforçar o novo conceito.
Ao longo dos últimos três anos, a Brahma focou a comunicação nos valores do consumidor, no 'brahmeiro', e teve como auge desse posicionamento os comerciais transmitidos durante a Copa do Mundo, em que Dunga foi garoto-propaganda. Na nova fase, a ideia é focar no produto. "Com a campanha 'Brahmeiros' conseguimos reforçar os valores e nos aproximar ainda mais do consumidor da marca. A gente falou muito de quem é esse brahmeiro. Agora a gente vai falar do que ele gosta. É isso que entregamos com este novo conceito: o 'Brahmeiro' que conhecia sua cerveja de olhos fechados, também poderá identificá-la de olhos abertos", diz Sérgio Eleutério, gerente de comunicação de Brahma.

Atrelada à nova comunicação visual, a marca estreia também uma nova forma de se comunicar com seu público, com tom mais irreverente, já apresentado nos vídeos que disseminaram o teaser com a pergunta "Por que a lata da Brahma é branca?" pela internet. A página da cerveja no Youtube alcançou cerca de 400 mil visualizações em uma semana, de acordo com Eleutério.

O comercial "Perguntas", que revela a nova lata,  começa com uma série de questionamentos curiosos e sem respostas: "Por que as mulheres escolhem tanto, se homem é tudo igual?" ou "Por que a conta sempre sobra para quem senta na ponta da mesa?". Até chegar a dois amigos num supermercado que também se questionam: "Se o caminhão, a embalagem e a geladeira da Brahma são vermelhos, por que a lata da Brahma é branca?". Neste momento, um terceiro personagem aparece e fala "Muda pra vermelho logo!". O vídeo finaliza com a revelação da nova embalagem.

É a primeira vez na sua história que a Brahma passa por uma reformulação na sua linha de produção. A nova marca foi desenvolvida pela Narita Design, e a campanha publicitária é da agência Africa.

O filme vai ao ar no sábado em emissoras de todo o país. O plano de mídia inclui também peças no PDV, anúncios e peças para web.

Texto de Cris Simon, de EXAME

Itaú é a marca brasileira de maior valor, R$ 20,6 bi

Ranking da Interbrand tem, na sequência, Bradesco, Petrobras, Banco do Brasil e Skol


O Itaú é a marca mais valiosa do Brasil. Segundo o Ranking Interbrand de 2010, segmentado para o mercado brasileiro, o valor é de R$ 20.651 bilhões. Com o resultado, o Itaú poderia ser a 32ª marca mais valiosa do mundo, caso atuasse globalmente. De acordo com a listagem mundial desenvolvida pela mesma consultoria, o banco estaria à frente de todas as outras instituições financeiras do mundo.

O segmento lidera o ranking no Brasil com o Bradesco em segundo lugar e o Banco do Brasil em quarto. A Petrobras é a terceira marca mais valiosa, com Skol em quinto. Natura, Brahma, Antarctica, Vivo e Renner completam o Top 10. Este resultado reflete a solidez do sistema financeiro brasileiro e, sobretudo, o lucro que os bancos geram, uma vez que o estudo da Interbrand começa baseado em uma análise financeira. Na sequência, o ranking analisa o papel e a força da marca, levando em consideração a receita que é gerada apenas por ela.

Assim como o Itaú, o Bradesco, a Petrobras, o Banco do Brasil, a Skol, a Natura e a Brahma também poderiam figurar na lista das maiores marcas globais da Interbrand, não fosse o fator presença. Nenhuma destas marcas tem atuação global consolidada. Este é uma das características analisadas pela consultoria na formulação da Força da Marca, que sofreu mudanças no último ano e passou a levar em consideração, além da presença, a autenticidade, a clareza, o seu comprometimento, a proteção, a sua capacidade de resposta às ameaças, a sua diferenciação, a relevância, o entendimento e a consistência, um dos principais atributos.

O peso da marca


Esta é a segunda vez consecutiva que o Itaú conquista a liderança entre as marcas mais valiosas do Brasil. No levantamento realizado pela Interbrand na América Latina no ano passado, a marca ficou à frente do Bradesco, do Banco do Brasil, da Petrobras, do Unibanco, da Vale, da Natura, da Vivo, da Gerdau e da Usiminas, respectivamente. “Essas marcas são conhecidas, reconhecidas pelas pessoas e sólidas”, aponta Alejandro Pinedo, Diretor geral da Interbrand no Brasil.

A liderança do Itaú é creditada a dois fatores principais: o ganho que obteve com a integração da marca Unibanco e a redução de custos obtida com a fusão entre os bancos, influenciando no melhor resultado financeiro. Em 2009, o seu lucro líquido foi de R$ 10,1 bilhões, com um crescimento de 29% em relação a 2008. “O peso da marca reflete a confiança que o cliente tem ao aplicar o seu dinheiro”, afirma Fernando Chacon, Diretor de Marketing do Itaú.

O papel da marca no cálculo de seu valor entra nas estratégias desenvolvidas pelo Itaú. “Temos uma disciplina de gestão de marca obsessiva”, conta Chacon, em entrevista ao Mundo do Marketing. “Não fazemos apenas propaganda, pensamos nos produtos e nas pessoas que trabalham com a gente para desenvolver um negócio que seja sustentável e que entregue valor para todo mundo”, ressalta o executivo.



Texto de Bruno Mello, do Mundo do Marketing

PepsiCo estreia em novo segmento com eQlibri

"Respire fundo, relaxe e faça um break". Esta é a proposta de eQlibri, lançamento da PepsiCo, fabricante dos produtos Quaker, Kero Coco e Pepsi, entre outros. A novidade marca a estreia da empresa no segmento de biscoitos assados com Crackers, feitos à base de batata e trigo; além disso, Panetinis, snacks com textura e formato parecido com uma mini-baguetes, complementam a linha. Em cinco sabores, eQlibri alia leveza, sabor e crocância em embalagens ideais para as “paradinhas” necessárias durante o dia.


De acordo com pesquisas recentes conduzidas pelo Instituto Ibope e Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), o consumidor brasileiro vem buscando cada vez mais opções que aliem a praticidade e conveniência a benefícios nutricionais, o que mostra uma preocupação cada vez maior com a saúde.

“Mas com o dia-a-dia agitado do mundo atual, fica cada vez mais difícil se alimentar de maneira balanceada. eQlibri sugere justamente uma pausa nesse tipo de rotina, com produtos nutritivos e ao mesmo tempo gostosos”, comenta Carlos Ricardo, vice-presidente de Marketing de Alimentos da PepsiCo. De acordo com o executivo, o produto tem como principal foco o público feminino adulto, que usualmente desempenha vários papéis ao mesmo tempo e que necessita de um “break” para si mesmo.
Pensando no gosto cada vez mais exigente dos consumidores, eQlibri apresenta sabores únicos, como Queijo Suave e Presunto de Parma, para a linha Panetinis (40g), e Crackers de 23g ou 100g nas versões Toque de Limão, Mussarela de Búfala com Manjericão e Original. Todos os produtos são saborosos e nutritivos, não contêm conservantes nem corantes artificiais e são livres de gorduras trans.
Para garantir textura leve e maior crocância ao produto, as duas linhas de eQlibri, Panetinis e Crackers, são assadas em um processo especial resultando em produtos perfeitos para o lanchinho entre as refeições. O Cracker conta ainda com uma textura única, resultante da soma da batata e do trigo, que confere a ele um delicioso sabor. Outro ponto importante com relação aos Crackers é que os produtos possuem 60% menos gordura saturada do que os produtos similares e todos os sabores no formato 23g possuem somente 100 kcal por embalagem.

A nova linha eQlibri está sendo fabricada desde o início de julho na planta de Sorocaba e a distribuição será feita para os quatro cantos do país. O produto poderá ser encontrado em supermercados de todo o país a partir de 27 de julho.

Para promover eQlibri, estão previstos comerciais em TV, que deverão ir ao ar a partir de setembro e ações de degustação em escritórios exatamente no momento da paradinha que precisamos fazer no meio do dia. Além disso eQlibri ainda contará com ações no ponto-de-venda, como a inclusão de displays próprios, material de ponto-de-venda, entre outros.
Com a novidade, a PepsiCo do Brasil reitera seu compromisso com a satisfação e bem estar de seus consumidores, além de fomentar hábitos alimentares mais saudáveis, que está alinhada à sua estratégia de crescimento sustentável. Balizada na visão de negócio Performance com Propósito, a filosofia da empresa se traduz no compromisso de gerar crescimento sustentável e ao mesmo tempo deixar um impacto positivo na sociedade, que inclui atender às necessidades dos consumidores ao oferecer alimentos e bebidas de qualidade.

Extraído daqui

23/07/2010

Mentos Mini foca egoísmo sem culpa

Novo produto, com balas individuais, ganha campanha bem-humorada da Neogama/BBH

A Mentos está lançando o Mentos Mini, embalagem individual de sua bala mastigável. Para divulgar a novidade, a Neogama/BBH desenvolveu uma campanha de mídia impressa inspirada na estética das tiras em quadrinhos e na assinatura do novo produto: “Egoísmo sem culpa”.

Em uma das cenas, um personagem se lamenta com seu colega de trabalho por ter sido demitido, enquanto ouve de volta apenas um “Posso ficar com seu grampeador?”. Em outra, uma menina cai em prantos ao ser abandonada pelo namorado e é maliciosamente consolada por um colega: “Não vale a pena chorar por ele. Quer dormir lá em casa?”. Em uma terceira peça, uma garota magra abraça sua amiga, baixinha e gordinha, e confessa: “Adoro sair com você. Os homens só olham para mim”.

Ficha técnica:

Direção geral de criação: Alexandre Gama
Direção de criação: Márcio Ribas e Wilson Mateos
Direção de arte: Thiago Cruz
Redação: Raphael Quatrocci
Ilustração: Fernando Dias de Souza
Produção gráfica: Kiyoshi Takahashi e Vinícius Busico
Tratamento de imagem: Eduardo Oliveira
Artbuyer: Mariah Bayeux, Janaína Lacerda e Rubens Gomes
Atendimento: Valéria Barbosa, Mariana Magalhães e Filipe Albuquerque
Planejamento: Eduardo Lorenzi e Diana Junqueira
Aprovação pelo cliente: Marco Seregni e Joana Oliveira


Retirado de Propmark 

22/07/2010

Belas Artes pode fechar por falta de patrocínio

HSBC retirou o nome do espaço em março deste ano

Antiga imagem de divulgação do cinema

O tradicional Cine Belas Artes, na Rua da Consolação, em São Paulo, pode fechar as portas se não encontrar um novo patrocinador até o fim do ano. “As despesas são muito altas, ultrapassando os R$ 150 mil por mês, algo que a bilheteria por si só não pode cobrir”, disse André Sturm, sócio-proprietário do espaço, que era mantido graças à parceria de naming right com o HSBC até março deste ano. O banco, porém, reviu sua estratégia de marketing no começo de 2010 e resolveu não renovar o contrato.

O HSBC patrocinava o cinema desde 2004, ano em que a cidade de São Paulo completou 450 anos. Na ocasião, a marca tinha necessidade de associar sua imagem com a da capital mais importante do País. Passados seis anos, o banco percebeu que era mais importante investir em outras mídias.

Para tentar se manter, por enquanto, o cinema tem contado com o apoio de ações esporádicas, como a campanha “Tudo pode dar certo”, realizada por 17 restaurantes da região. A promoção, que vale de 5 de julho a 5 de setembro, convida os frequentadores dos restaurantes a doarem R$ 5 para o cinema. Em troca, eles recebem um convite para assistir a um filme de segunda à quinta-feira. No cinema, o espectador carimba seu voucher e pode voltar ao restaurante para ganhar uma sobremesa. “Essas ações, independente da verba simbólica que arrecadam, são muito importantes para chamar a atenção da população para a importância do Belas Artes e, consequentemente, isso pode fazer com que as empresas se interessem mais rapidamente pela causa”, explicou Sturm.

Por enquanto, o cinema ainda não tem nenhuma negociação com um novo patrocinador. “Mas temos algumas propostas a serem analisadas”, contou o sócio-proprietário.

De acordo com o professor de branding da pós-graduação em comunicação da ESPM, Júlio Moreira, um dos empecilhos no caminho do tradicional cinema para conseguir um novo parceiro é que o nome Cine Belas Artes já é consagrado. “As pessoas resistem a chamar a casa pelo novo nome. Normalmente, recomenda-se às empresas que se associem a espaços que estão começando para que sejam reconhecidos pelo nome da marca”, falou o professor. Para compensar, a marca teria de investir muito em comunicação para tornar o novo nome conhecido.

O Belas Artes não é o único cinema que depende do naming right na cidade de São Paulo. Mesmo depois da fusão com o Itaú, o Unibanco continua nomeando três casas: o Espaço Unibanco, da Rua Augusta, e os dois Artplex Unibanco, um no Shopping Frei Caneca e outro no Shopping Bourbon. De acordo o Itaú Unibanco, apesar da marca estar sendo eliminada de todas as agências, os cinemas devem continuar com o nome Unibanco.

Outro espaço que leva o nome da marca é o Cine Bombril, localizado no Conjunto Nacional. Segundo fonte do propmark, a partir de setembro o espaço deverá ser patrocinado pela Livraria Cultura. Haverá uma reforma no local e um novo nome para o cinema deve ser anunciado. Procurados pela reportagem, tanto Bombril como a Livraria Cultura não se pronunciaram a respeito.

por Cristiane Marsola do Propmark

21/07/2010

Estrela investe R$ 3 milhões em novo Super Banco Imobiliário

Sete marcas estão no novo jogo

Imagem do Banco Imobiliário Brasil, lançado em 2008

Com um investimento de R$ 3 milhões, a Estrela coloca no mercado o Super Banco Imobiliário. A nova versão do jogo, que é um sucesso de vendas da marca há 66 anos, tem como novidade a presença das marcas MasterCard, Vivo, Itaú, TAM Viagens, Nivea, Ipiranga e Fiat. “Convidamos empresas líderes em seus segmentos para dar uma roupagem mais perto da realidade ao jogo”, disse Carlos Tilkian, presidente da Estrela. Nem a fabricante nem os patrocinadores divulgam o valor que cada um deles investiu para ter suas marcas estampadas no tabuleiro do jogo.

A MasterCard aparece na brincadeira de maneira bastante próxima do real. Os participantes, em vez de usarem dinheiro em cédulas para adquirir as propriedades, recebem no início do jogo um cartão de débito e crédito. “O jogo é também um instrumento de educação financeira”, explicou Tilkian. "O que atraiu a MasterCard a participar desse projeto foi a possibilidade de promover, de maneira lúdica, a educação financeira para crianças e jovens”, afirma Cristina Paslar, vice-presidente de Marketing ao Consumidor da MasterCard Brasil.

As outras marcas aparecem no tabuleiro como cotas de ações para serem adquiridas pelos participantes. “Do ponto de vista das marcas, é uma oportunidade de estar perto do consumidor de maneira diferenciada”, falou o presidente da Estrela.

Texto de Cristiane Marsola de Propmark

16/07/2010

MTV na Rua estreia na TV

Moma lança o primeiro filme para divulgar o jornal recém-lançado


A Moma está colocando no ar nos próximos dias o primeiro filme para o jornal da MTV, o MTV na Rua. Seguindo o conceito “A notícia pede carona”, a peça mostra vários personagens constantes dos noticiários pegando carona pelas ruas de São Paulo, numa técnica que mistura filme e animação em paper art.

O filme será veiculado em cinemas e na própria MTV. A campanha ainda terá sequência com novos anúncios e material de internet.

Ficha técnica

Filme: Carona
Agencia: Moma Propaganda
Cliente: MTV
Produto: MTV na Rua
Direção de Criação: Rodolfo Sampaio
Criação: Rodolfo Sampaio e Fábio Baraldi
Trv: Marcelo Tyson
Produtora: Vetor
Som: Vetor
Direção: Gabriel Almeida
Anúncio (enchente)
Atendimento: Marco Piza e Caru Bessa
Aprovação / Cliente: José Wilson e Lilian Chwartzmann
 
Daqui

14/07/2010

Conar suspende comercial "verde" de Bom Bril

Conselho acolheu argumento das concorrentes 3M e Bettanin

O Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) suspendeu neste mês a campanha Bom Bril Eco, que destaca os atributos ecológicos do produto. Os três filmes - : ‘Biodesagradável’, ‘Placar’ e ‘Cacique’- contestam o uso das esponjas sintéticas, afirmando que elas são vilãs do meio ambiente. Segundo a Bombril, a campanha já está fora do ar desde o início de junho.


O Conselho de Ética do Conar acolheu o argumento das concorrentes 3M e Bettanin, que entraram com representação alegando que estavam tendo suas imagens afetadas pela campanha. A decisão do Conar está ligada ao fato de o filme em questão não ter embasamento para dizer que a esponja de aço é mais ecológica que as esponjas sintéticas.

Em comunicado, a empresa 3M afirma que recorreu ao Conar "por entender que a campanha em questão poderia suscitar ao consumidor e à sociedade a incorreta interpretação de um tema relevante relacionado ao meio ambiente".
Segundo a companhia, "a campanha estabelece comparação que pode denegrir e afetar a reputação e os negócios dos fabricantes de esponjas para limpeza doméstica, atingindo a credibilidade do produto no mercado, com informações de caráter subjetivo, sem qualquer comprovação".

A campanha "Bombril dá de 1001 a zero nos inimigos da natureza" é a primeira criada pela WMcCann. A campanha veiculou os filmes nas principais emissoras do país, como Globo, Record, SBT, Rede TV, Band, Gazeta e também durante a programação de canais fechado como Sony, Universal, Globo News, GNT, Multishow e Warner. Todos são protagonizados pelo ator Carlos Moreno. Em um dos filmes, o garoto Bombril contracena com o ator Paulo Silvino.


As ações de mídia contemplavam ainda anúncio impresso nas revistas Veja, IstoÉ, Caras, Contigo, IstoÉ Gente, Viva Mais, AnaMaria, Tititi, Minha Novela, Sou + Eu e Maxima, além de Outdoors nas principais rodovias do estado de São Paulo.

A embalagem do produto ganhou ainda novo visual, com a palavra ‘Eco’ aparecendo estampada para comunicar que o produto é ecologicamente correto.


por Daniela Dahrouge e Juliana Welling - Propmark

Apenas 26% das empresas estão preparadas para investir em Copa e Olimpíadas

Resultado aparece em pesquisa da Deloitte e Ibri sobre os megaeventos esportivos no Brasil

A Deloitte e o Ibri (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores) se uniram para realizar a pesquisa “Brasil, bola da vez – negócios e investimentos a caminho dos grandes eventos esportivos”, que teve como objetivo levantar informações sobre a influência da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016, ambas sediadas no País, na tomada de decisões de companhias e investidores.

“Tais megaeventos e aqueles menores, que acontecem em seu entorno, tem grande importância para a imagem e economia do Brasil e, claro, também para as empresas. Nossa meta foi descobrir quais e como as empresas estão se preparando para explorá-los”, explica José Paulo Rocha, sócio-líder da área de corporate finance da Deloitte.

Foram entrevistados, entre abril e maio deste ano, 60 profissionais do setor de relações com investidores de suas empresas (RIs), representantes de diversos segmentos e portes; e 36 executivos de entidades investidoras. Entre os dados coletados, destaca-se a indústria da construção como a de maior potencial para recebimento de investimentos, citada por 65% dos entrevistados. Em seguida aparecem as atividades de turismo, hotelaria e lazer, grupo lembrado por 55%; e a de transporte aéreo e infraestrutura aeroportuária, com 53% (sempre em respostas múltiplas).

Entre as dúvidas que podem frear investimentos privados estão: “as cidades-sede vão conseguir concluir seus projetos para a Copa?”, que aflige 65% dos entrevistados; e “os investimentos públicos aplicados nesses eventos serão bem administrados?”, com 63%.

Os principais desafios a serem enfrentados para a boa condução de megaeventos esportivos, na opinião dos profissionais que responderam ao questionário, também tem ligação direta com o setor público. Para eles, a maior dificuldade será garantir as responsabilidades e a coordenação eficiente entre os níveis de governo; e garantir a infraestrutura geral. “Com as nossas dimensões e o envolvimento de diferentes esforços de governantes e poderes, esse gerenciamento requer grande habilidade. Há intenções e prioridades que precisarão ser conciliadas para que tudo funcione perfeitamente”, enfatiza Rocha.

Entre os benefícios da realização de megaeventos esportivos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, destaca-se a infraestrutura e a valorização da marca Brasil no exterior. No total, 91% apontaram a efetivação dos projetos relacionados à infraestrutura e logística. “É o principal legado. Esse tipo de evento reúne esforços e capital com muito mais facilidade e velocidade para a realização de importantes obras nos mais diversos setores”, aponta Rocha. Melhoria da imagem brasileira no exterior (67%), qualificação do País como um pólo turístico mundial (63%) e internacionalização do País (54%) também são de grande relevância na opinião dos entrevistados.

O que chama a atenção negativamente é que muitas das empresas que participaram da pesquisa não se mostram ainda preparadas para aproveitar as oportunidades de investimento que nascem com a chegada da Copa e das Olimpíadas no Brasil. Apenas 12% delas já possuem um plano específico em andamento e 14% tem planejamento pronto, aguardando para ser iniciado em momento propício. 35% ainda pretendem se preparar, 21% não terão atividades especiais durante os eventos e 18% sequer souberam informar sobre a existência de planos específicos. “O que podemos imaginar é que muitas empresas não enxergam, nos eventos esportivos, oportunidades para seus negócios. Mas acreditamos que, com a proximidade deles, muitas poderão mudar de ideia e encontrar boas formas de participar”, finaliza Rocha.


por Karan Novas - Propmark

Nestlé lança picolés Chocolovers

Linha conta com versões de Chokito, Prestígio e Diplomata

A Nestlé lança os picolés “Chocolovers”. A linha é constituída por três sabores criados a partir de bombons da marca: Chokito – feito com sorvete sabor baunilha com caramelo e cobertura de chocolate ao leite com flocos de arroz –, Prestígio e Diplomata. A novidade reforça a campanha da empresa criada a partir de uma pesquisa que apontou o fato de que os fãs de chocolate desejavam uma palavra que representasse essa paixão.



Por Rayane Marcolino, do Mundo do Marketing

11/07/2010

Erros de Marketing: case Opanka

O que é essa marca Opanka, hein? Resumindo: uma imitação barata de Havaianas misturada com Rider e Azaleia. A linha de sandálias é um filhote da marca, que tem em seu portfólio nomes como Olympikus, Dijean e a própria Azaleia, além de Reebok. Será que estas marcas não precisam mais de investimento? Por que entrar em um segmento pra lá de disputado com uma marca líder de mercado que está na mente, no coração e nos pés de todo mundo?

Sinceramente não sei responder. É uma coisa louca essa de profissionais que só sabem fazer repetição e imitação. Por que não inovar em um outro produto? Por que não investir no portfólio atual? E ainda escalam o autor Paulo Vilhena como garoto propaganda de uma mega campanha publicitária, o mesmo que ficou conhecido por ir a um casamento de Havaianas. O comercial tem símbolos que, pelo amor de Deus, remetem à identidade que Havaianas já utilizou.

Não queria falar da comunicação porque só a concepção da marca e do produto já é um case de erro de Marketing incrível... mas entrei no site deles e dei de cara com um “Viajante Opanka”. Outra mostra de criatividade incrível da marca! A última que utilizou este mote foi a Mastercard, com seu Viajante Mastercard.

Fico pensando nos investidores da Azaleia. Como as pessoas ainda rasgam dinheiro, meu Deus. E aí depois vem falar que a culpa é do Marketing. E é sim. Também, mas não única. Afinal, é o Conselho de Administração e/ou o Presidente quem decide sobre investimento em novas marcas. Ok. Eles podem até vir e falar que estão fazendo o maior sucesso. Só se for até a página dois, pois é uma marca nascida para morrer ou ocupar um espaço marginal de mercado.
 
 
Texto do Blog da Redação, do Mundo do Marketing

Como garoto-propaganda, Kaká escapa do fracasso do Brasil na Copa

Mesmo com a derrota em campo, Kaká deve faturar US$ 25 milhões até o final do ano. Ao contrário do que se esperava, o jogador sequer balançou as redes mas, nem por isso, deixou de ser uma superpotência no mercado publicitário. Não exatamente pelos motivos que a maioria das celebridades dos gramados ostenta nas revistas e na TV. Ricardo Izecson dos Santos Leite não tem cara de bad boy, não se envolve em escândalos, não namora top models. Na verdade, mostra fora de campo o rostinho juvenil que transparece inevitavelmente a aura de bom moço.



Disciplinado, (quase) não fala palavrões, se casou com a namoradinha do colégio - Carol Celico - e, juntos, são devotos fervorosos da Igreja Renascer. Depois de oito anos de carreira profissional em campos de futebol, essa fama de engomadinho lhe gerou apenas bom frutos. Bons frutos que, segundo a revista “Forbes”, são estimados em US$ 25 mihões anuais (aproximadamente R$ 45 milhões), em salários e publicidade.


Para ler a matéria completa, clique aqui.

Empresa e clube agem rapidamente e evitam prejuízo no caso Bruno

Para especialistas em marketing esportivo, a imagem da patrocinadora do goleiro e do Flamengo não ficará arranhada


A fabricante de material esportivo Olympikus não deverá ter perdas financeiras e a imagem arranhada por conta do escândalo envolvendo o goleiro Bruno, do Flamengo, acusado de participação no assassinato da ex-namorada Eliza Samudio. Segundo especialistas em marketing esportivo, a empresa agiu rapidamente ao anunciar o rompimento do contrato de patrocínio – o único do goleiro -, na última quarta-feira, o que deve preservar a marca de associações negativas.


“A empresa agiu rapidamente e evitou um arranhão na imagem”, diz Rafael Plastina, diretor da Infomídia, especialista em gestão e marketing esportivo. “Se fizer uma pesquisa hoje, muito provavelmente as pessoas que se lembram do Bruno não associarão a Olympikus ao goleiro”. Pesquisa realizada pela Infomídia com quatro mil pessoas no Rio de Janeiro e em São Paulo mostrou que Bruno foi apenas o 15º atleta mais admirado pela população carioca, com 1,1% dos votos dos entrevistados.



Foto: Gazeta Press


Imagem do goleiro Bruno ainda não está diretamente associada à marca Olympikus, dizem especialistas

 
“Não acredito que as pessoas vão boicotar a Olympikus apenas porque o Bruno está na cadeia acusado de participar da morte da ex-namorada”, diz Clarisse Setyon, professora do curso de especialização em marketing esportivo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). “A empresa é muito maior e mais forte do que o goleiro”.


O contrato de Bruno com a Olympikus é recente. Em maio deste ano, a empresa passou a fornecer material esportivo para o goleiro. De acordo com os especialistas, isso faz com que a imagem dele ainda não esteja diretamente associada à marca. “O link com a marca só acontece com o passar dos anos. É preciso continuidade para que haja associação da marca patrocinadora com o atleta”, diz Plastina.


Com o estouro do caso, o contrato de patrocínio de Bruno foi suspenso pela Olympikus até que as investigações da polícia sejam concluídas. Isso significa que a linha de produtos exclusivos do goleiro – como luvas, camisas e chuteiras – deixará de ser produzida nesse período. Procurada pela reportagem do iG, a fabricante de material esportivo não quis se pronunciar sobre o caso.


Para Amir Somoggi, consultor e professor de marketing esportivo e gestão do esporte, o goleiro Bruno foi o “porto-seguro” da Olympikus no Flamengo. A empresa se tornou a fornecedora oficial de material esportivo do clube em julho de 2009, quando fechou um contrato de aproximadamente R$ 21 milhões anuais. “Hoje a marca Olympikus está mais associada ao Flamengo do que ao Bruno”, diz Somoggi.


Apesar disso, Somoggi não acredita que a Olympikus saíra ilesa do caso Bruno. Para ele, o futebol gera uma série de benefícios para as empresas. Ao mesmo tempo, a exposição excessiva da marca torna-se um risco quando o atleta se envolve em polêmicas. “Muita empresa tem medo de entrar no futebol por causa dos aspectos negativos do esporte, com cartolas corruptos e violência”, diz Clarisse. “Agora, o diretor de marketing vai pensar 15 vezes se vai haver um novo Bruno”.

Lições

Apesar de não representar grandes perdas para a Olympikus, o caso Bruno pode ensinar uma série de lições para as empresas que investem em marketing esportivo. Segundo especialistas, as companhias vão dar mais importância para o comportamento dos atletas fora do campo de futebol. “Tem de incentivar as empresas a valorizar a ética e a moral”, diz Luiz Henrique Gullaci, professor de marketing da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e doutorando em administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP).


Texto de Gustavo Poloni e Klinger Portella, iG

09/07/2010

Os impactos da Copa de 2014 no marketing brasileiro

Com a realização do mundial, a economia deve produzir R$ 142 bilhões adicionais

Existem muitas restrições para vincular marcas à Copa, mas muito pode ser feito, diz José Carlos Pinto


O Mundial da África do Sul ainda nem acabou, mas a realização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil já representa uma oportunidade para as marcas e para o país, que terão maior visibilidade global. O consumo aquecido e a expectativa de que a economia brasileira produza R$ 142 bilhões adicionais nos próximos quatro anos provam que o campeonato de futebol sediado no país movimentará a estratégia de marketing de muitas empresas.


Quais são os impactos socieconômicos da Copa do Mundo de 2014 no Brasil? Que desafios serão enfrentados pelo marketing brasileiro até a realização do mundial? Como garantir os efeitos positivos do evento no país e minimizar os negativos? Quais são as oportunidades e iniciativas para potencializar os benefícios do campeonato para a sociedade, marcas e consumidores?




Essas são algumas das questões avaliadas no estudo Brasil Sustentável - Impactos Socioeconômicos da Copa do Mundo 2014, realizado pela Ernst & Young. Em entrevista, José Carlos Pinto, Sócio da Consultoria Ernst & Young, fala sobre as oportunidades encontradas pelos profissionais de Marketing e pelo mercado brasileiro até o mundial de 2014.
 
 
Para ler a entrevista feita com José Carlos Pinto clique aqui.

McDonald’s vende 3,5 milhões de McFlurry MiniBis

Rede afirma que sucesso se deve à parceria de duas grandes marcas

O McDonald’s celebra o sucesso do McFlurry MiniBis. A sobremesa feita com sorvete de baunilha, cobertura de chocolate e a versão mini dos chocolates Bis vendeu 3,5 milhões, de unidades nos 577 restaurantes da rede, desde o seu lançamento há dois meses. Segundo a empresa, o sucesso do produto se deve à combinação dos sabores e associação de grandes marcas que transmitem qualidade e confiança aos consumidores.



Por Rayane Marcolino, do Mundo do Marketing